Última hora

Última hora

EUA: Incertezas aumentam sobre resultado do voto na Florida

Em leitura:

EUA: Incertezas aumentam sobre resultado do voto na Florida

Tamanho do texto Aa Aa

A Florida, com os seus 27 grandes eleitores, é um peso-pesado na contagem final dos votos das presidenciais americanas. Esta é a única certeza que se pode ter este ano sobre este Estado, tradicionalmente republicano.

Devido à sua mobilidade demográfica, a Florida é imprevisível. A comunidade cubana, tradicionalmente fiel aos republicanos, já não o é. Em 2000, 81 por cento votaram em Bush, mas de acordo com uma sondagem recente apenas 66 por cento voltarão a fazê-lo. Os cubanos não apreciaram os novos impedimentos legais para visitarem a ilha e enviar medicamentos e outros bens às famílias que ficarão em Cuba. Os outros hispânicos, em forte crescimento, estão mais virados para o lado democrata. Ao grande leque de incertezas sobre estas eleições junta-se uma outra: a do novo voto electrónico. Há já várias petições a circular que exigem que o computador distribua recibos com a confirmação do voto de cada eleitor, senão,em caso de problema, a recontagem dos votos é simplesmente impossível. O bom funcionamento do sistema de voto continua ensombrado pelo fantasma de 2000, quando a eleição foi interrompida durante 36 dias e finalmente decidida pelo Supremo Tribunal norte-americano. O voto dos afro-americanos é outra das incógnitas. Em 2000, muitos foram privados de votar. Desta vez a comunidade negra mobilizou-se para assegurar a participação no escrutínio. O padre baptista, Levy Wilcox, referiu que a comunidade “não acredita que o sistema vai ser justo e não quer que os seus votos se percam nas abstenções” e concluiu que “queremos ter a certeza de que os nossos votos vão ser contados.” Ao contrário do que se passa na Europa, o dia de eleições não é ao fim-de-semana. Para muitos eleitores que trabalham é impossível votar e o voto com antecedência só pode ser realizado num local específico, longe dos bairros negros. Para terminar, um em cada quatro eleitores negros, ou 25 por cento, têm cadastro e nunca mais podem votar por esse motivo. Quanto aos que se podem deslocar às urnas, esses normalmente votam no Partido Democrata.