Última hora

Última hora

Coca-cola cede à pressão de Bruxelas

Em leitura:

Coca-cola cede à pressão de Bruxelas

Tamanho do texto Aa Aa

Saldaram-se num acordo, as negociações que, há cinco anos, Bruxelas mantinha com a Coca-Cola. Um longo contencioso, no qual a Comissão Europeia acusava o gigante norte-americano dos refrigerantes de práticas de distribuição que violam as regras de concorrência do mercado europeu.

Agora o comissário Mario Monti e o presidente da Coca-cola, Neville Isdell, chegaram finalmente a um compromisso. O responsável europeu para a Concorrência, que deixa o cargo a 31 de Outubro próximo, resolve assim mais um conflito, antes da entrada em vigor da Comissão Barroso. Monti diz: “Acabaram-se os contratos de exclusividade, os descontos por objectivos, a utilização da marca Coca-Cola como chamariz para vender outros produtos da empresa menos conhecidos e a Coca-Cola tem de deixar 20% do espaço das suas arcas livre para outras marcas.” A empresa de Atlanta deixa agora de poder obrigar os supermercados a arrumar todas as suas bebidas juntas. A Coca-cola terá de estar ao pé da Pepsi e das outras colas, a Sprite ao lado da 7 Up ou a Fanta ao lado das outras laranjadas.