Última hora

Última hora

Holanda enfrenta o desafio da tolerância perante mais um ataque

Em leitura:

Holanda enfrenta o desafio da tolerância perante mais um ataque

Tamanho do texto Aa Aa

Há duas semanas que a Holanda é surpreendida com uma vaga de ataques inédita no país. Nem as pequenas localidades, como Helden, perto da fronteira alemã, parecem escapar. Um incêndio devastou a mesquita local, esta manhã, instalada numa antiga escola. Não há vítimas. A polícia holandesa investiga se foi ou não fogo posto.

No entanto, tudo indica uma relação com os atentados iniciados depois da morte do realizador Theo Van Gogh. O presidente da câmara de Helden explicou que, depois do homicídio do cineasta, “a segurança em torno da mesquita foi reforçada, mas não o suficiente.” No início da semana, duas escolas muçulmanas foram incendiadas em Eindhoven e Uden. Nesta última cidade, as paredes do estabelecimento ficaram marcadas com a as palavras “Theo descansa em paz”. O realizador foi morto em Amesterdão, no dia 2 de Novembro, alegadamente por um fundamentalista islâmico. Van Gogh era ameaçado de morte por retratar nos seus trabalhos, especialmente no filme “Submissão”, uma visão crítica das imposições do Islão, sobretudo sobre as mulheres. O seu homicídio despoletou uma série de ataques e de operações policiais. Em Haia, as autoridades cercaram durante catorze horas uma casa onde estavam barricados supostos terroristas. Duas pessoas foram detidas. Ao todo, há sete suspeitos de terrorismo detidos, entre os quais um homem de dupla nacionalidade marroquina e holandesa, acusado do assassínio de Van Gogh. A tensão instalada em torno da comunidade muçulmana no país levou vários responsáveis políticos a apelarem à calma e tolerância. A Rainha Beatriz deslocou-se ontem a um centro juvenil muçulmano, em Amesterdão, com essa mensagem.