Última hora

Última hora

Turquia: Mais uma década para acabar de convencer a Europa

Em leitura:

Turquia: Mais uma década para acabar de convencer a Europa

Tamanho do texto Aa Aa

O sonho europeu da Turquia pode demorar ainda, na melhor das hipóteses, dez anos. Mas quem esperou quase meio século para chegar até aqui, vai seguramente continuar a fazer prova de uma vontade de ferro. A menos que o princípio das concessões amargue.

Recuando na História, a Turquia foi o primeiro país a bater à porta do núcleo duro europeu, em 1963, ano em que Ancara assinou um acordo de associação com a CEE. O mesmo acordo que aceitou agora alargar aos dez novos Estados-membros da União, entre os quais Chipre. Na prática, foi a forma encontrada de fazer os turcos reconhecerem politicamente a república cipriota. Se as coisas tivessem corrido mal para a Turquia na cimeira de Bruxelas, em grande parte teria sido por causa de Nicósia, que ameaçou com o veto. A assinatura do protocolo foi o compromisso para solucionar a questão de Chipre, a república que Ancara não reconhece e que é alvo de um diferendo histórico com os cipriotas gregos e Atenas. Esse acordo deverá ser firmado até 3 de Outubro do próximo ano. O rumo específico das negociações não foi traçado. O processo está aberto: não há datas finais. Os europeus reservam-se o direito de parar a locomotiva, caso haja um afastamento óbvio dos padrões exigidos. Aliás, a Turquia cedeu ao aceitar um tratamento diferente dos outros candidatos. Apesar de tudo, o país, um gigante agrícola que, dentro de décadas, pode ultrapassar a população do maior Estado da União, a Alemanha, levanta muitos receios. O futuro tratado de adesão deixa implícito, no texto acordado, a possibilidade de longos períodos de transição, adiamentos, cláusulas de salvaguarda, eventuais restrições à imigração e à livre circulação, acordos específicos sobre a agricultura, por exemplo. Uns clamam o diálogo entre o Ocidente e o mundo muçulmano. Outros vêem a Turquia como um pretendente demasiado grande, pobre e diferente. Daqui a 2014, pelo menos, veremos se algum lado muda de ideais.