Última hora

Última hora

Ucranianos vão às urnas para escolher novo presidente

Em leitura:

Ucranianos vão às urnas para escolher novo presidente

Tamanho do texto Aa Aa

Tudo está a postos para a repetição da segunda volta das presidenciais ucranianas. Trinta e sete milhões de ucranianos são chamados este domingo às mesas de voto.

A principal preocupação é a transparência e seriedade do escrutínio, depois das eleições de 21 de Novembro terem sido invalidadas devido à constatação de fraudes maciças. Pelo menos, o perigo do acto eleitoral ser de novo impugnado parece afastado, depois do Tribunal Constitucional ter considerado inconstitucional a emenda à lei eleitoral que proibía o voto no domicílio a todos os cidadãos, com excepção dos inválidos. Uma emenda que poderia levar a queixas de eleitores particulares, privados de votar. No entanto, é preciso lembrar que as procurações e os votos no domicílio foram identificados como as principais fontes das fraudes que levaram à anulação da segunda volta. O que não vai faltar são olhos postos em todo o processo: um número recorde de observadores internacionais, com 12 mil elementos de 31 países. A questão que pende agora no ar é : qual será o novo presidente da Ucrânia? Após uma campanha eleitoral histórica que durou 175 dias, o candidato pró-ocidental da oposição é segundo as sondagens o vencedor anunciado. Os “azuis” do ainda primeiro-ministro Viktor Ianukovitch, que compreendem sobretudo o Leste e Sul do país, parecem cada vez mais resignados com a vitória de Iuschenko. No entanto, Ianukovitch avisou que o rival terá de negociar um acordo, se não quiser ser “presidente só de uma parte da Ucrânia”. Viktor Iuschenko é o porta-estandarte da “revolução laranja”, que levou a capital Kiev a uma paragem de mais de duas semanas, apoiando as suas queixas de fraudes maciças na segunda volta de 21 de Novembro. Com a face desfigurada devido a um envenenamento com dioxinas, o candidato pró-ocidental tem promovido uma integração gradual do país na Europa, caso ganhe as eleições. Com os dois candidatos ainda a medir forças e perante um complexo processo eleitoral, ainda não é claro quando poderá ser oficialmente declarado o vencedor.