Última hora

Última hora

Condoleezza Rice defende continuidade na política externa dos EUA

Em leitura:

Condoleezza Rice defende continuidade na política externa dos EUA

Tamanho do texto Aa Aa

Com um sorriso e uma postura de ferro, a chefe da Diplomacia dos Estados Unidos enfrentou as duras questões da comissão encarregue de votar a sua nomeação. Os Democratas interrogaram Condoleezza Rice sobre os alegados erros da administração Bush numa tentativa de descredibilizar a candidata, enquanto os Republicanos, em exposições breves, realçaram a sua competência, tal como se esperava da oposição e do governo.

Entre as duas frentes, Condi Rice acabou por fazer a apologia da nova diplomacia americana: “A América guia-se pela convicção de que nenhuma nação pode construir sozinha um mundo melhor. Alianças e instituições multilaterais podem multiplicar a força dos que amam a Liberdade. Se for confirmada no cargo, esse será o meu lema, mas sempre tendo em conta a eficácia das medidas”. Não era segredo que Condoleezza Rice ia ocupar o cargo sem problemas, já que os 18 membros da comissão, ao longo do interrogatório, confirmaram a mera formalidade da sessão, enquanto a chefe da Diplomacia deixava bem claro a visão que tem para a Europa e para os desfavorecidos da Casa Branca: a da continuidade. “Por oposição às últimas décadas do século XX, as primeiras deste século podem ser de liberdade. Na América vamos fazer tudo para que tal aconteça. Mas, para ser sincera, ainda existem focos de tirania”, rematou. E aos países com lugar cativo no Eixo do Mal, Rice acrescentou novos membros – Bielorússia, Myanmar e Zimbabué. Quanto à questão iraquiana, a número um da Diplomacia não quis comprometer-se, e manteve-se impávida e serena perante os ataques dos senadores Democratas. Rice reiterou que as decisões tomadas pela primeira administração Bush foram correctas e não deslizou quando a questionaram sobre o fim da presença militar norte-americana no país: “Sou relutante quanto a um calendário de retirada do Iraque porque creio que o objectivo é levar a missão até ao fim, o que quer dizer até os iraquianos serem auto-suficientes”. Antiga conselheira do presidente Bush para a Segurança Nacional, Condoleezza Rice prometeu envolver-se pessoalmente no processo de paz do Médio Oriente. Quanto às questões da Europa do Leste, de que é especialista, Rice mostrou-se inquieta quanto ao crescente autoritarismo russo, embora quando se refira à China evoque diferenças de valores. Condoleezza Rice promete ser a mais fiel assessora do presidente.