Última hora

Última hora

Justiça britânica tenta deslindar atentado de Omagh, sete anos depois

Em leitura:

Justiça britânica tenta deslindar atentado de Omagh, sete anos depois

Tamanho do texto Aa Aa

O mais mortífero atentado do conflito na Irlanda do Norte pode finalmente terum culpado. O tribunal de Craigavon, a oeste de Belfast, acusou formalmente de assassínio um suspeito de envolvimento no ataque de Omagh em 1998.

Sean Hoey, um electricista de 35 anos, apontado como membro do IRA verdadeiro, grupo dissidente do Exército Republicano Irlandês, foi acusado de 61 crimes. Hoey que se encontrava detido por outras acusações, como posse de explosivos, conheceu hoje os novos crimes de que é acusado, e que incluem o assassínio das 29 vítimas mortais do atentado. Sean Hoey torna-se a primeira pessoa a ser julgada por assassínio no quadro da investigação ao atentado de Omagh. Há sete anos que os familiares das vítimas criticam a morosidade da justiça. Em 1998 a explosão de uma viatura armadilhada na rua principal da cidade de maioria católica, abalava a acalmia na província, quatro meses depois da assinatura dos acordos de paz com o IRA. A deflagração de 225 quilos de explosivos provocou 29 mortos e mais de 300 feridos. O advogado de defesa de Hoey, denunciou as motivações políticas por detrás do processo, afirmando que não foram apresentadas novas provas contra o seu cliente. O suspeito deverá voltar a comparecer em tribunal na próxima terça-feira.