Última hora

Última hora

Dia zero da campanha eleitoral alemã

Em leitura:

Dia zero da campanha eleitoral alemã

Tamanho do texto Aa Aa

O presidente alemão Hoerst Kohler anunciou hoje a dissolução do Parlamento e a convocação de eleições antecipadas para o próximo 18 de Setembro.

Uma medida justificada pelo chefe de Estado como a única forma da Alemanha poder contar uma maioria sólida no poder. Segundo Kohler, depois do Chanceler Schroeder ter perdido o voto de confiança de 1 de Julho, “a convocação de novas eleições é a única decisão que pode garantir o futuro dos alemães, especialmente aqueles que estão no desemprego”. O anúncio marca o dia zero da campanha eleitoral alemã. Poucos minutos depois Schroeder apresentava-se como candidato pelo partido SPD, satisfeito por não ter que apresentar demissão para resolver as divisões no interior do seu governo de coligação. Para o ainda Chanceler, recandidatar-se será uma forma de procurar nas urnas a legitimidade para continuar as reformas que levou a cabo nas áreas da saúde e do mercado de trabalho. Apesar da determinação, Schroeder parte para a corrida eleitoral como derrotado. As últimas sondagens atribuem ao seu partido apenas 27% de intenções de voto, face aos 42% com que conta a sua opositora conservadora, Angela Merkel. A líder da CDU foi a terceira a reagir, apelando à Alemanha para aproveitar esta oportunidade como um novo começo, sublinhando que “não nos devemos conformar com o número de desempregados que atinge hoje os cinco milhões de pessoas no país”. O pontapé de saída para a campanha eleitoral, onde o tema do desemprego será o principal cavalo de batalha.