Última hora

Última hora

Médio Oriente: marcha sobre Gaza anulada devido a pressão policial

Em leitura:

Médio Oriente: marcha sobre Gaza anulada devido a pressão policial

Tamanho do texto Aa Aa

O bloqueio efectuado por mais de 15 mil polícias e militares fez com que os manifestantes ultra-ortodoxos, avessos à retirada da Faixa de Gaza, anulassem a marcha rumo ao colonato de Gush Katif.

Na origem do retrocesso está a decisão do Yesha, o Conselho dos colonos da Judeia-Samária, de evitar absolutamente o confronto com as autoridades. A mobilização das forças de segurança conseguiu dissuadir temporariamente os manifestantes que regressaram a Ofakim, onde tinham passado a noite e onde irão agora decidir o que farão em seguida. Gush Katif é a maior implantação judia na Faixa de Gaza e é aqui que é esperada maior resistência dos opositores ao Plano Sharon, cujo início está previsto para o dia 17 de Agosto. Por isso, desde há semanas, o acesso ao território é controlado e a região é considerada zona militar interdita. Depois dos protestos de terça-feira em Sderot, os manifestantes marcharam até Ofakim, em pleno deserto do Neguev no Sul de Israel, a escassos quilómetros de Gush Katif. O dispositivo policial foi colocado de forma a evitar o acesso dos contestatários ao posto fronteiriço de Kissoufim. No entanto, no últimos dias, dezenas de pessoas já conseguiram atravessar para os colonatos, quer através da apresentação de falsos documentos de residentes, quer com a conivência de alguns militares. Ainda assim, já foram detidas pelo menos duas dezenas de pessoas por tentar forçar barreiras policiais.