Última hora

Última hora

Colonos radicais resistem em Gush Katif à retirada militar da Faixa de Gaza

Em leitura:

Colonos radicais resistem em Gush Katif à retirada militar da Faixa de Gaza

Tamanho do texto Aa Aa

Depois de 38 anos de ocupação da Faixa de Gaza, os colonos israelitas têm ordem para abandonar o território até à meia-noite (22h00 em Lisboa).

Nas últimas horas, ultimam-se as partidas dos 21 colonatos na região em direcção a campos de alojamento provisório no Sul de Israel. Para trás ficam casas e viaturas incendiadas em sinal de protesto como na colónia de Rafiah Yam. Cerca de cinquenta mil militares israelitas filtram todas as saídas e entradas ao longo de seis cordões de segurança montados em torno da faixa de Gaza. A partir de quarta-feira os militares irão verificar, casa por casa, quem ficou para trás, podendo recorrer à força para os desalojar. A maioria dos oito mil colonos já fizeram as malas, mas em doze instalações os colonos afirmam-se preparados para resistir. E se nas quatro colónias visadas pelo plano de evacuação na Cisjordânia o processo está quase completo, na Faixa de Gaza cerca de cinco mil activistas da direita religiosa ter-se-ão infiltrado na região para engrossar as fileiras dos renitentes. Os activistas que se reuniram ontem em Neve Dekalim, uma das colónias de Gush Katif, ameaçam acorrentar-se a casas, bloquear estradas e acessos a habitações como forma de protesto, pressionando militares e polícias a desobedecerem às ordens superiores. Vários oficiais israelitas receberam hoje chamadas telefónicas de judeus radicados nos Estados Unidos, a exigir a suspensão imediata da retirada militar da Faixa de Gaza e da Cisjordânia.