Última hora

Última hora

Colonos judeus partem da Faixa de Gaza mas resistem na Cisjordânia

Em leitura:

Colonos judeus partem da Faixa de Gaza mas resistem na Cisjordânia

Tamanho do texto Aa Aa

Os militares israelitas concluiram ontem a evacuação de civis nos 21 colonatos da Faixa de Gaza, duas semanas antes do previsto. Hoje será a vez dos militares começarem a retirar deste sector dos territórios ocupados.

O sucesso da operação foi saudado em uníssono pelos líderes palestinano e israelita, que poderão reunir-se nos próximos dias para retomar as negociações de paz. Apenas os ultranacionalistas israelitas parecem não partilhar do entusiasmo do “momento histórico”, prometendo defender com unhas e dentes as duas últimas colónias ainda por evacuar na Cisjordânia, Sa-nur e Homesh. Na segunda-feira apenas três dezenas de colonos tinham abandonado as instalações de livre vontade. Ao final da noite de ontem um grupo de activistas incendiou um autocarro militar no colonato vizinho de Kedumim. Horas antes várias dezenas de manifestantes eram detidos depois de tentarem bloquear a saída das viaturas que irão participar esta manhã na evacuação forçada. Ao início da manhã as autoridades preparavam o assalto aos dois colonatos por entre os protestos de jovens activistas que arremessaram garrafas de vidro e lixo contra os soldados. Segundo a polícia israelita cerca de dois mil activistas da direita religiosa ter-se-ão infiltrado nas duas instalações, preparando técnicas de resistência que poderão passar pelo recurso a armas, a cocktails molotov e mesmo a granadas de mão. As autoridades que mobilizaram cerca de 15 mil polícias para isolar a zona dizem estar preparadas para enfrentar todo o tipo de situações. O processo de retirada militar da Faixa de Gaza e de quatro colónias na Cisjordânia deverá estar concluído em Outubro. A Autoridade Palestiniana sublinhou ontem, e uma vez mais, que 116 colonatos israelitas persistem na Cisjordânia. No domingo, o primeiro-ministro israelita Ariel Sharon tinha afastado a hipótese de uma nova retirada militar na região, afirmando-se, pelo contrário, disposto a continuar a expansão das colónias na Cisjordânia.