Última hora

Última hora

Recuo das águas permite regresso à normalidade na Europa Central e Oriental

Em leitura:

Recuo das águas permite regresso à normalidade na Europa Central e Oriental

Tamanho do texto Aa Aa

Após cinco dias de encerramento ao tráfego rodoviário, o túnel de São Gotardo reabriu ao trânsito. A circulação permanece condicionada na Suíça, mercê das catastróficas inundações sentidas nos últimos dias, mas as águas estão a retroceder e os veraneantes, retidos em povoações isoladas, podem voltar a casa.

O mesmo acontece no centro histórico da capital Berna, onde mais de um milhar de habitantes tiveram de ser evacuados de casas medievais, até as autoridades se certificarem da robustez estrutural dos edifícios. As operações de limpeza começam agora, mas há ainda muito a fazer. Barbara Hayoz, representante da edilidade, diz compreender “o ressentimento dos cidadãos. Em seis anos é a segunda vez que esta zona é inundada e, apesar das promessas, nada foi feito para evitar a repetição do problema”. Para além das seis vítimas mortais, os prejuízos materiais ascendem na Suíça a 320 milhões de euros. Também no Sul da Alemanha, sobretudo na Baviera, a situação parece melhorar. O recuo das águas do Danúbio deixou muito trabalho por fazer, pelo que 30 mil pessoas estão mobilizadas para as operações de limpeza. Na região de Passau, há ainda um milhão e meio de sacos de areia a conter a força do Danúbio, mas a situação tende a melhorar, depois de ter causado a morte de uma pessoa e danos de cerca de cem milhões de euros em todo a Alemanha. Um cidadão de Kelheim reconhece que, “em comparação com as cheias de 1999, até tiveram sorte, mas os estragos são grandes. Pode ver-se como a cave estava cheia de lama do Danúbio e até onde subiram as águas”. Mais a Leste, a Roménia chora os mortos das piores inundações dos últimos 50 anos. A catástrofe tem vindo a assolar o país em vários ímpetos desde Abril causando até ao momento mais de seis dezenas de mortos. Só durante o mês de Agosto, morreram 33 pessoas e duas permanecem desaparecidas. A região de Harghita no centro do país é a mais duramente tocada pelas inundações, originadas pela forte precipitação que parece acalmar este fim de semana. A destruição na Roménia causou danos de 1500 milhões de euros. As autoridades alertam agora para o risco de epidemias, devido à destruição dos sistemas de esgotos e às inúmeras carcaças de animais que jazem nos locais atingidos pelas inundações.