Última hora

Katrina: União Europeia leva ajuda aos Estados Unidos

Em leitura:

Katrina: União Europeia leva ajuda aos Estados Unidos

Tamanho do texto Aa Aa

A Europa pronta a reagir, já enviou ajuda para os Estados Unidos, agora que, em Nova Orleães, começa a contagem dos mortos, vítimas do Katrina.

De França partiu apoio logístico da Cruz Vermelha. Cinco membros da organização não governamental partiram esta segunda-feira do aeroporto de Charles de Gaulle, em Paris. Vão juntar-se aos outros 12 que já estão no terreno. A Bélgica enviou dez especialistas em logística, todos voluntários e habituados a missões em zonas como a Somália, o Kosovo ou o Ruanda. Dividem-se em “dois grupos, um que parte para Baton Rouge, muito próxima da zona de desastre, no Norte de Nova Orleães, no Estado do Louisiana”, explica um voluntário. “O outro vai para Montgomery, no Alabama.” Os dez elementos – nove militares e um membro da Cruz Vermelha – vão integrar as equipas da Cruz Vermelha americana. Os Estados Unidos, habitualmente um país doador, fez saber, na semana passada, que desta vez precisa de ajuda. Bruxelas recebeu “uma lista de pedidos”, entregue pelos Estados Unidos à delegação da Comissão Europeia em Washington, depois de contactos informais também com a presidência britância. Barbara Helfferich, porta-voz de Bruxelas, explica que “a lista foi enviada, pelo Centro de Monitoração e Informação da Protecção Civil, para os Estados membros, para que cada um ajude da melhor forma.” As primeiras necessidades são kits de primeiros socorros, cobertores, camiões de água e 500 mil refeições preparadas. Este meio milhão de rações de campanha é disponibilizado pela Grã-Bretanha. A comida, que seguirá em vários voos, vai para o Arkansas, onde será distribuída aos refugiados de Nova Orleães. No domingo à noite, um C-130 italiano descolou também rumo aos Estados Unidos, levando a bordo tendas, cobertores, camas de campanha, 15 mil kits de primeiros socorros e alimentação para crianças. Vários outros países europeus já enviaram ou estão igualmente a preparar o envio de ajuda para os Estados Unidos.