Última hora

Última hora

Equipas de socorro recolhem cadáveres em Nova Orleães

Em leitura:

Equipas de socorro recolhem cadáveres em Nova Orleães

Tamanho do texto Aa Aa

À medida que descem as águas em Nova Orleães aumentam as buscas e a recolha de cadáveres.

Oficialmente, há notícia de pouco mais de 300 mortos nos Estados da Luisiana e do Mississípi, mas a protecção civil deslocou para o local 25 mil sacos mortuários, antevendo um número de vítimas muito superior ao apurado até ao momento. Mais de metade de Nova Orleães permanece submersa nas águas fétidas que potenciaram o efeito devastador do furacão do passado dia 29 de Agosto. Os 63 mil militares destacados para as operações de resgate esforçam-se por recolher as cerca de dez mil pessoas que se encontram ainda no que resta da cidade, dando prioridade aos cidadãos que pretendem abandonar voluntariamente as suas casas. Entretanto, depois de esgotados os 10,5 mil milhões de dólares, o Congresso disponibilizou outros 51, 8 mil milhões para prosseguir a ajuda de emergência. Uma lei que foi prontamente assinada pelo presidente Bush, em franca quebra de popularidade. “A responsabilidade decorrente do auxílio a prestar a centenas de milhar de cidadãos desalojados vai colocar muitas exigências à nossa nação. Temos muitos dias difíceis diante de nós, especialmente à medida que recuperamos aqueles que não sobreviveram à tempestade”, anunciou o presidente norte-americano. A intervenção tardia da administração Bush tem sido alvo de críticas e origina protestos como este que decorreu diante da Casa Branca. Numa sondagem recente, 67% da população considera que Bush podia ter feito mais para acelerar as operações de salvamento. De resto, a popularidade do presidente caiu para 40%, o valor mais baixo desde que foi eleito.