Última hora

Última hora

Japão: Eleitorado deverá reconduzir Koizumi como primeiro-ministro

Em leitura:

Japão: Eleitorado deverá reconduzir Koizumi como primeiro-ministro

Tamanho do texto Aa Aa

Junichiro Koizumi poderá estar prestes a vencer o braço de ferro com a oposição no que diz respeito à privatização dos Correios.O primeiro-ministro nipónico, no cargo desde 2001, deverá hoje ser reconduzido, num escrutínio que mais serve como referendo ao projecto de reforma dos Serviços Postais.O principal opositor, Katsuya Okada do Partido Democrático, não conseguiu aproveitar as cisões no partido liberal democrático e terá tido pouco êxito no esforço de convencer o eleitorado para o seu projecto.O tema do Iraque esteve também em debate, mas com o PLD a prometer avaliar o regresso do contigente nipónico após o referendo sobre a constituição iraquiana, as exigências de retirada imediata da oposição não terão convencido os eleitores japoneses a alterar o sentido de voto.

A origem da crise política A reforma dos Correios foi o ponto de partida para este escrutínio.O chumbo parlamentar a 8 de Agosto abriu caminho às legislativas antecipadas. Desta vez, para evitar fiascos parlamentares, Koizumi saneou das listas eleitorais os 37 rebeldes do PLD que se opuseram ao projecto e apostou a carreira política para avançar a todo o custo com a medida.Os apoiantes da privatização dos Serviços Postais dizem que o projecto visa dinamizar a economia e reequilibrar as contas públicas nipónicas. Os detractores falam de despedimentos em massa e de perda de qualidade nos serviços.A alienação dos Correios japoneses, que empregam 250 mil pessoas, vai dar origem à maior instituição financeiraprivada do mundo, com activos da ordem dos 3 biliões de dólares.Enquanto instituição bancária, os Correios japoneses são especializados nos sectores das poupanças e dos seguros.