Última hora

Última hora

Diáspora alemã em Bruxelas atenta à campanha eleitoral no país

Em leitura:

Diáspora alemã em Bruxelas atenta à campanha eleitoral no país

Tamanho do texto Aa Aa

As questões económicas e sociais serão decisivas nas eleições da Alemanha, no próximo domingo. Até os emigrantes alemães estão conscientes das dificuldades económicas que afectam o país e das suas implicações ao nível europeu.

A EuroNews pôde constatar isso mesmo em Bruxelas, onde falou com a directora do Instituto Goethe local. Margareta Hauschild partilha as dúvidas e preocupações dos seus compatriotas: “Penso que os alemães estão conscientes de que precisamos de reformas sociais e até acredito que, actualmente, essas reformas são bem aceites. Mas, por outro lado, penso que há muito medo.” A equipa de Angela Merkel promete medidas económicas radicais e controversas, em caso de vitória da coligação entre conservadores e liberais, a começar pelo aumento do IVA, baixa do IRS e das contribuições sociais e o fim dos benefícios fiscais. O analista Peter Gros, do Center for European Policy, recorda também que os conservadores prometem mais respeito pelo Pacto de Estabilidade do que no governo Schroeder. Nesse caso, “se a Alemanha respeitar o Pacto, pode exigir o mesmo aos outros Estados membros – e isso terá um efeito dominó. As modificações já feitas podem interpretar-se de várias maneiras” – garante. Uma interpretação mais rigorosa seria suficente para deitar por terra o acordo dos Estados membros, que flexibiliza a despesa pública. Mas, segundo Werner Wobbe, representante em Bruxelas dos sociais democratas alemães, os conservadores também terão didiculdade em respeitar o Pacto: “Creio que se a Alemanha vier a ter uma coligação entre conservadores e liberais, o défice vai aumentar, devido à política fiscal já anunciada. Prevejo que seja bastante difícil controlar as finanças públicas.” Um outro tema quente da campanha alemã é a Turquia. Enquanto os sociais-democratas não abrem mão da plena adesão do país ao grupo europeu, os conservadores, liderados por Angela Merkel, defendem uma parceria estratégica com Ancara.