Última hora

Última hora

Construtoras chinesas apostam no Salão Automóvel de Frankfurt

Em leitura:

Construtoras chinesas apostam no Salão Automóvel de Frankfurt

Tamanho do texto Aa Aa

Depois da entrada do Landwind no mercado europeu, os fabricantes chineses de automóveis tentam encontrar concessionários, na Europa, para os carros que fabricam.

O Salão Automóvel de Frankfurt é a montra ideal. As construtoras vieram em peso para mostrar os novos modelos. Além das grandes construtoras europeias que estão presentes, incluindo a Volkswagen, que apresenta aqui o modelo EOS, inteiramente fabricado na Autoeuropa, em Portugal, o salão de Frankfurt foi também invadido por modelos vindos da China. Por exemplo, o China Dragon, fabricado pela Geely, encontrou já uma empresa, a portuguesa Sociedade Hispânica de Automóveis, que o vai comercializar em Portugal e Espanha. No entanto, as construtoras chinesas enfrentam vários problemas. Um deles é a parecença com os modelos europeus, às vezes a roçar os limites da clonagem. A produção dos fabricantes chineses tem vindo a subir, graças ao crescimento económico do país, mas também ao cada vez maior interesse por parte dos mercados de outros países. Só na primeira metade deste ano, já foram fabricados mais carros que em todo o ano de 2004. A Chery é um dos maiores fabricantes da China e aposta num pequeno citadino, o QQ. As parecenças com o Daewoo Matiz já valeram um processo, por parte da General Motors. Mas esse não é o único problema que enfrentam estas construtoras. O principal é a desconfiança dos consumidores ocidentais face a um produto desconhecido, mesmo a metade do preço. Graças a acções de charme, como a presença neste salão, os grupos chineses querem mudar essa ideia e impor estes carros, tal como a China já conseguiu fazer com todo o tipo de produtos.