Última hora

Última hora

Indonésia: Polícia na pista dos cérebros por detrás dos atentados

Em leitura:

Indonésia: Polícia na pista dos cérebros por detrás dos atentados

Tamanho do texto Aa Aa

Muitos turistas já começaram a abandonar Bali, prometendo não voltar, outros cancelam as férias no paraíso turístico da Indonésia, que voltou a ser palco de uma série de atentados quase em simultâneo, este sábado. A polícia forense continua a recolher dados nos locais dos crimes e já chegou à conclusão de que se tratou dum triplo atentado suicida.

A diplomacia portuguesa ainda só não conseguiu contactar um cidadão nacional que vive no Bornéu e que estaria na ilha de Bali na altura das três explosões em restaurantes repletos de turistas em Jimbaran e Kuta. Ataques que fizeram pelo menos 26 mortos e mais de uma centena de feridos. Um turista ocidental afirmou sentir-se agora “em segurança, mas não que será capaz de continuar as férias na ilha depois desta nova tragédia”. Um sentimento partilhado por muitos estrangeiros que se encontram em Bali. Uma australiana disse estar “bastante surpreendida” com estes novos atentados menos de 3 anos depois dos ataques em Kuta que mataram 202 pessoas, entre as quais um militar português. Por isso muitos juram “nunca mais voltar”. A polícia afirma que pelo menos outras três pessoas ajudaram os suicidas e estána pista de Ayahari Husin, um dos alegados chefes da Jemaah Islamiyah, que já éprocurado pelos atentados de 2002. As autoridades divulgaram também um vídeo amador em que se vê um dos presumíveis “kamikazes” a entrarem com um saco às costas num café de Kuta, poucos segundos antes de uma das três explosões.