Última hora

Última hora

Síria:Ministro do Interior encontrado morto, tese oficial aponta para suicídio

Em leitura:

Síria:Ministro do Interior encontrado morto, tese oficial aponta para suicídio

Tamanho do texto Aa Aa

Ghazi Kanaan, ministro sírio do Interior, foi esta manhã encontrado morto no seu gabinete em Damasco, a poucos dias de serem conhecidas as conclusões do inquérito internacional à morte do antigo primeiro-ministro libanês Rafic Hariri.

O conselho de ministros da Síria indicou oficialmente que Kanaan se suicidou, mas ordenou a instauração de um inquérito à morte do governante. Kanaan, que ocupava a pasta do Interior desde Outubro do ano passado, tinha regressado à Síria há três anos. Durante duas décadas, entre 1982 e 2002, o general de 63 anos foi o mais alto responsável sírio no território libanês, onde dirigia os serviços de informação militares. Por isso, no país do Cedro era considerado o governador “de facto”, mais poderoso do que a administração vigente, considerada um fantoche de Damasco. Seguidor de longa data do pai do actual presidente sírio, Ghazi Kanaan opôs-se à recondução do chefe de Estado libanês no cargo, depois de jogos de bastidores que tinham levado ao seu afastamento de Beirute. Depois da renovação do mandato de Emile Lahoud, a crise que se instalou originou a morte de Rafic Hariri num atentado em Fevereiro passado e a posterior retirada militar síria do Líbano. No âmbito do inquérito internacional, Kanaan, tal como outros altos funcionários sírios, foi ouvido pela comissão das Nações Unidas, dirigida pelo alemão Detlev Mehlis. As conclusões do inquérito serão apresentadas ao secretário-geral da ONU no final deste mês, mas antes mesmo de testemunhar, Kanaan tinha anunciado publicamente não possuir qualquer informação sobre o atentado que vitimou Rafic Hariri.