Última hora

Última hora

Gripe aviária: a Europa entre o alerta e o alarmismo

Em leitura:

Gripe aviária: a Europa entre o alerta e o alarmismo

Tamanho do texto Aa Aa

A Europa mobiliza-se contra a gripe das aves, depois da União Europeia ter reconhecido ontem que o vírus constitui uma “ameaça global”, ainda que o risco de uma pandemia permaneça indefinido.

Como medida de prevenção, o Reino Unido, assim como a Suécia, reforçaram os controlos sanitários nos aeroportos de aviões provenientes dos países onde o vírus foi identificado. A Alemanha alargou as medidas de isolamento das explorações avícolas aos quatro maiores estados do país. A variante H5N1 do vírus tem seguido a rota das aves migratórias, de Oriente para Ocidente, tendo sido identificada nos últimos dias em várias explorações avícolas na Turquia e na Roménia. A Grécia aguarda os resultados das análises feitas em perús mortos ontem numa ilha do mar Egeu. Aquele que poderá ser o primeiro caso de gripe das aves na União Europeia, coincide com a afirmação do Comissário para a Saúde e Protecção dos Consumidores de que, “os 25 não estão preparados para enfrentar o vírus”. Markos Kyprianou, sublinhou no entanto que, “o facto da gripe aviária estar presente na Europa não influi sobre a possibilidade de uma pandemia humana de gripe”. Os responsáveis diplomáticos da União, reunidos ontem pela primeira vez no Luxemburgo para debater o assunto, reconheceram a urgência dos países-membros criarem um estoque de antivirais. Na ausência de uma vacina, medicamentos como o Tamiflu ou o Relenza são para já as únicas formas de poder combater uma eventual variante humana do vírus. Portugal que encomendou 2 milhões de doses deste tipo de medicamentos, admitiu ontem, pela voz do secretário de estado do Desenvolvimento Rural, que as reservas actuais de antivirais permitirão apenas tratar 0,5% da população, longe da meta de 25% estabelecida pela OMS. A farmacêutica suiça Roche que detém a patente do antiviral Tamiflu, declarou-se pronta a autorizar outras firmas a produzir o medicamento, face à incapacidade em dar resposta às inúmeras encomendas internacionais.