Última hora

Última hora

O retrato de um homem de vitória

Em leitura:

O retrato de um homem de vitória

Tamanho do texto Aa Aa

Ao depositarem os boletins de voto na urna nas legislativas de 25 de Setembro, os irmãos Kaczynski tinham o sorriso estampado no rosto, convencidos de que pelo menos um dos dois alcançaria um lugar importante na hierarquia do Estado.

A vitória do seu partido acalentou-lhes essa ideia, de tal forma que Jaroslaw deixou a outro o lugar de primeiro-ministro que lhe estava destinado para não se arriscar a ter de dirigir a Polónia com o irmão gémeo. O objectivo é evitar confusões porque os irmãos Kaczynski, conhecidos na infância como protagonistas de um filme bastante popular, intrigam os eleitores e são tema de conversa em todo o país. Durante as campanhas, tanto para as legislativas como para as presidenciais evitaram mostrar-se juntos para que Lech não saísse penalizado. Aliás, entre a primeira e a segunda volta, o candidato à presidência conseguiu ganhar terreno nas sondagens. O presidente da câmara de Varsóvia tem um discurso vigoroso. No vídeo da campanha prometeu a revolução moral, o combate ao crime e à corrupção. Tal como o adversário Donald Tusk, também ele foi membro do Solidariedade e na qualidade de advogado, chegou a ser conselheiro de Lech Walesa. Antes da presidência do município de Varsóvia foi senador, e depois ministro da Justiça, um cargo em que demonstrou as suas convicções católicas ao impedir uma manifestação de homossexuais. Com esta vitória, Lech Kaczynski torna-se presidente do maior dos dez novos Estados-membros da União Europeia.