Última hora

Última hora

CIAgate:Chefe de gabinete de Dick Cheney incorre em pena até 30 anos de prisão

Em leitura:

CIAgate:Chefe de gabinete de Dick Cheney incorre em pena até 30 anos de prisão

Tamanho do texto Aa Aa

O escândalo CIAgate ficou ontem marcado pela inculpação e posterior demissão de um alto funcionário da Casa Branca.

Lewis “Scooter” Libby, o chefe de gabinete do vice-presidente Dick Cheney, é acusado de perjúrio, obstrução à justiça e falso testemunho e incorre numa pena até 30 anos de prisão. Apesar deste revés, o presidente Bush realçou a presunção de inocência do colaborador. “A investigação do procurador-especial Fitzgerald e os procedimentos legais são sérios. Agora o processo avança para uma nova fase. Porém, no nosso sistema, todos os indivíduos são considerados inocentes até prova em contrário e têm direito a um processo imparcial e a um julgamento justo”. “Scooter” Libby, de 55 anos, é visado na fuga de informação que conduziu à revelação do nome de uma agente da CIA. A identidade de Valerie Plame transpirou para a imprensa em 2003, depois do marido, o diplomata Joseph Wilson, ter criticado o aproveitamento político feito pela Casa Branca para através dos relatórios dos serviços secretos conseguir justificar a invasão do Iraque. Por isso, sem se pronunciar sobre a legitimidade da invasão, desde 2003, o procurador-especial Patrick Fitzgerald tenta averiguar se Libby mentiu ou não e se a fuga de informação se destinou a desacreditar as acusações de Wilson. “Quando o chefe de gabinete de um vice-presidente é acusado de perjúrio e obstrução à justiça, isso mostra ao mundo que somos um país que leva a lei a sério, que todos os cidadãos são iguais aos olhos da lei.Aquilo que temos também de mostrar ao mundo é que aplicamos as mesmas regras a todos os cidadãos, incluindo aos altos funcionários”, disse o investigador independente norte-americano. Apesar de não ter sido formalmente acusado, Karl Rove, o conselheiro político de Bush, permanece na berlinda, uma vez que continua a ser investigado pelo procurador-especial Fitzgerald.