Última hora

Última hora

França: Violência urbana causa primeira vítima mortal

Em leitura:

França: Violência urbana causa primeira vítima mortal

Tamanho do texto Aa Aa

Décimo primeiro dia de violência urbana em França.O fenómeno alastra de dia para dia e, da zona suburbana de Paris, estendeu-se às principais cidades francesas.Esta segunda-feira, morreu a primeira vítima desta convulsão social; um homem de 60 anos, em coma desde sexta-feira após ter sido agredido por um grupo de jovens, não resistiu aos ferimentos.Para o ministro do Interior, Nicolas Sarkozy, “os problemas verificados nos subúrbios de toda a França arrastam-se há trinta ou quarenta anos e não reflectem uma cisão política entre direita e esquerda.

São um problema nacional de extrema seriedade para o qual têm de ser encontradas soluções adaptadas e eficazes, que é o que temos estado a discutir”.Hoje, Sarkozy reuniu-se com autarcas e representantes associativos saídos da imigração, um encontro que se vai passar a repetir mensalmente.Esta noite, o primeiro-ministro Dominique de Villepin vai à televisão pública apresentar as propostas do governo para pôr termo à violência, nomeadamente através do reforço da segurança e do policiamento nas zonas mais sensíveis.

Actos de vandalismo alastram a todo o país 1400 automóveis queimados e quase quatrocentas detenções foi o resultado de mais uma noite de tumultos, um pouco por toda a França.São já cinco mil as viaturas destruídas e mais de mil pessoas foram interpeladas pela polícia na sequência da violência urbana e dos actos de vandalismo que duram há onze noites.Diversos edifícios públicos foram destruídos pelas chamas, sobretudo escolas e esquadras de polícia, mas também ginásios.Na sequência dos confrontos, para além da primeira vítima mortal, há dezenas de feridos, sobretudo entre as forças policiais, que chegaram a ser visadas por disparos de armas de caça.

A onda de violência que começou por alguns actos de vandalismo nos subúrbios de Paris assola agora todas as principais cidades francesas.Apesar dos apelos à calma, a crise tem piorado e o presidente da câmara de Raincy, nos arredores da capital, decretou um recolher obrigatório excepcional para esta noite.