Última hora

Última hora

Jordânia em alerta após triplo atentado suicida em hotéis da capital

Em leitura:

Jordânia em alerta após triplo atentado suicida em hotéis da capital

Tamanho do texto Aa Aa

Triplo atentado suicida em Amã, a capital jordana. O balanço oficial provisório dá conta de pelo menos 57 mortos e mais de 110 feridos. Fontes hospitalares falam de 300 feridos.

Os três atentados suicidas ocorreram esta quarta-feira, ao início da noite, com intervalos de 20 minutos. Tiveram como alvos os hotéis de luxo, Radisson e Grand Hyatt, e um de três estrelas, al-Days Inn, situados em Amã. As autoridades afirmam que dois foram levados a cabo com cintos de explosivos e um outro com um carro armadilhado. Segundo as autoridades, a maioria das vítimas é de origem jordana, mas os hotéis eram frequentados por turistas ocidentais e israelitas, homens de negócios americanos e europeus e diplomatas. A primeira deflagração ocorreu por volta das oito da noite, hora de Lisboa, no hotel Radisson, numa sala de banquetes onde 250 pessoas participavam num casamento. Ainda não houve revindicações, mas Amã aponta o dedo à rede al-Qaida, cujo líder no Iraque é o jordano Abu Mussab Al-Zarqawi. Fontes policiais, com base no depoimento de um funcionário de um hotel, adiantam que um dos suicidas tinha pronúncia iraquiana. Estes são os primeiros ataques desta envergadura na Jordânia. O país está agora em alerta. A segurança dos hotéis, embaixadas e aeroportos foi reforçada e as fronteiras terrestres foram fechadas por tempo indeterminado. O governo decretou esta quinta-feira dia de luto nacional. Apesar da proximidade com o Iraque, a Jordânia tem sido mais ou menos poupada à onda de violência que tem afectado a região. É um dos poucos países árabes com relações diplomáticas com Israel e, por isso, foi ameaçado diversas vezes. Actualmente, julga dezenas de islamitas suspeitos de terrorismo. As autoridades há muito tempo que têm vindo a alertar para a possibilidade de ataques terroristas. O rei Abdullah II condenou o que considera serem ataques terroristas e criminosos e prometeu punir os responsáveis. Os Estados Unidos, aliados da Jordânia, apressaram-se a oferecer ajuda para a investigação.