Última hora

Última hora

Israel espera o restabelecimento do "Falcão" Sharon

Em leitura:

Israel espera o restabelecimento do "Falcão" Sharon

Tamanho do texto Aa Aa

A três meses das legislativas, a retirada do primeiro-ministro ameaça destabilizar a vida política israelita. O seu novo partido, Kadima, formado com Shimon Perez, lidera as sondagens mas assenta, fundamentalmente, no carisma de Sharon. Há muita gente que preferia não ver Sharon ao leme do Estado. Alguns interrogam-se. E mesmo se o antigo dirigente dos trabalhistas, Shimon Perez, se juntou às fileiras do Kadima, a figura do velho primeiro-ministro de Israel, conhecido por “falcão e buldozer” é incontornável.

Como explica um analista político, Jerold Steinberg, “este partido não tem raízes e sem Sharon vai ser difícil continuar a revolução. Se a incerteza continuar não se sabe onde vai parar a política israelita”. Por enquanto, a maioria da população israelita pretende a continuação de Sharon à frente de Israel. Mesmo os palestinianos, de certa maneira, preferem lidar com ele. Apesar das dificuldades existentes, foi com Ariel Sharon que Mahmoud Abbas conseguiu estabelecer o diálogo. O seu futuro político está inevitavelmente ligado. Se Abbas ganhar as eleições legislativas palestinianas de 25 de Janeiro e Sharon as legislativas israelitas de 25 de Março estão à vontade para reiniciar as negociações de paz. O ministro palestiniano do Planeamento, Ghassan Al-Khatib, diz isso mesmo: “Sharon é um dos mais importantes líderes da região e a sua presença ou ausência faz uma grande diferença. Esta doença chega numa altura em que Israel e Palestina assistem a grandes mudanças com elevado potencial” A comunidade internacional enfrenta o mesmo cenário. Depois da retirada histórica de Gaza, Ariel Sharon tornou-se um interlocutor credível, principalmente para os americanos e para os europeus. Todos contam com ele para as negociações de paz e para impôr a retirada a outros colonatos judeus da Cisjordânia. Antes de Sharon outros líderes trabalhistas tentaram organizar, em vão, a retirada. Nenhum teve o pulso firme de Ariel Sharon.