Última hora

Última hora

Cartazes que misturam sexo e política escandalizam Áustria

Em leitura:

Cartazes que misturam sexo e política escandalizam Áustria

Tamanho do texto Aa Aa

Uma nova versão do famoso quadro “A origem do mundo” mancha de polémica o início da presidência austríaca da União Europeia. O cartaz representa uma mulher de pernas afastadas mas, ao contrário da obra de Gustave Courbet, o sexo da mulher não está nu: está vestido com uma bandeira da União Europeia. Mas não é o único. Um outro poster mostra uma cena de sexo a três, entre George W. Bush, a rainha de Inglaterra e Jacques Chirac.

Estes são alguns dos 150 cartazes que o governo de Wolfgang Schussel tinha encomendado a um colectivo de artistas, vindos um pouco de toda a União, para celebrar a sua presidência da Europa, que começa a 1 de Janeiro. Mas o chanceler não esperava obras tão ousadas, que misturam sexo e política. Os austríacos ficaram boquiabertos, uns consideram as imagens perversas, outros criticam a rebeldia juvenil, outros ainda acusam-nas de sexismo puro e duro. Os artistas defendem-se: só três dos 150 cartazes têm carácter sexual e, no geral, limitam-se a criticar a globalização e a ironizar a União Europeia. Um argumento que não convence a governadora da província de Salzburgo e membro da oposição. Gabi Burgstaller diz que são sexistas e dão uma má imagem da Europa e exige que sejam retirados. O objectivo do governo, quando fez a encomenda, orçada em um milhão de euros, era mostrar a diversidade e a evolução social, histórica e política da Europa. Wolfgang Schussel que, inicialmente, prometeu proibir os cartazes, acabou por se aperceber que não tem poderes para tal. Limitou-se a pedir aos artistas que os retirem. O caso gerou um grande debate na Áustria, entre os indignados e os que defendem que a arte pública deve ser provocatória.