Última hora

Última hora

Ucranianos satisfeitos a resolução da crise do gás

Em leitura:

Ucranianos satisfeitos a resolução da crise do gás

Tamanho do texto Aa Aa

Em Kiev, os ucranianos deram as boas-vindas às notícias provenientes de Moscovo, sobre o acordo do preço do gás. A tensão das últimas semanas, entre os dois países, abranda e os consumidores que chegaram a temer o pior respiram, enfim, de alívio. “Acabei de saber a notícia e acho que o aconteceu devia acontecer entre dois países que resolveram um problema de forma democrática e civilizada”, comenta um cidadão. “Foi uma atitude muito positiva, muita positiva”, diz outra ucraniana.

O aspecto comercial foi o que se tornou mais visível nesta guerra mas, para os analistas, a batalha que acaba de se travar é muito mais política, se tivermos em conta a história recente da Ucrânia, como a Revolução Laranja. É o que defende Marsha Lipman, analista russa: “A Rússia não procurou uma vingança pela humilhante derrota que sofreu. Em Março, os ucranianos enfrentam as eleições parlamentares, muito críticas, e Moscovo espera poder usar a sua influência política mais uma vez, agora recorrendo à crise do gás”. As relações russo-ucranianas não têm sido fáceis desde que Viktor Iuschenko, europeísta convicto, chegou ao poder. Para Vladimir Putin, que não vê com bons olhos esta aproximação ao Ocidente, esta crise foi uma demonstração de força.