Última hora

Última hora

Teerão cessa cooperação se dossiê do nuclear chegar ao CS da ONU

Em leitura:

Teerão cessa cooperação se dossiê do nuclear chegar ao CS da ONU

Tamanho do texto Aa Aa

Teerão ameaçou cessar as “medidas voluntárias de cooperação”, incluindo o controlo obrigatório do programa nuclear se o dossiê iraniano for enviado ao Conselho de Segurança (CS) da ONU.

As declarações foram feitas esta sexta-feira pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Manouchehr Mottaki, e surge como resposta à reunião da troika europeia UE3 (França, Alemanha e Grã-Bretanha) de ontem. Depois da reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da França, Alemanha e Grã-Bretanha, o chefe da diplomacia alemão, Frank-Walter Steinmeier, afirmou que “a inadequada cooperação com a Agência de Energia Atómica e que a intransigência face às indicações do organismo das Nações Unidas levam a que não haja outra alternativa senão entregar a questão ao Conselho de Segurança da ONU.” Na reunião de ontem, os chefes da diplomacia europeus decidiram pedir uma reunião de urgência do Conselho de Governadores da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA). A ascensão de Mahmoud Ahmadinejad à presidência iraniana pôs um termo a dois anos e meio de esforços diplomáticos. Esta é a opinião generalizada da comunidade internacional, nomeadamente de europeus e americanos, para quem as mudanças políticas no Irão levaram a que as negociações sobre a questão do nuclear chegassem a um ponto sem retorno. No entanto, há ainda quem acredite ser possível voltar ao diálogo. É o caso da Rússia. O ministro dos Negócios Estrangeiros Serguei Lavrov afirmou estar “convencido de que o Irão pode voltar com a palavra atrás, no entanto terá de fazer cedências”. O Irão decidiu retomar as actividades de enriquecimento de urânio em mais três centrais. Os selos da instalação nuclear de Natanz já foram quebrados pelas autoridades iranianas. O chefe de Estado lembra que o Irão tem o direito de enriquecer urânio para fins civis. A comunidade ocidental não acredita nas boas intenções de Ahmadinejad e teme mais uma potência nuclear no Médio Oriente.