Última hora

Última hora

Mundial de Futebol serve de tribuna para alerta contra prostituição forçada

Em leitura:

Mundial de Futebol serve de tribuna para alerta contra prostituição forçada

Tamanho do texto Aa Aa

A três meses do Campeonato do Mundo de Futebol, a Alemanha espera tirar benefícios, mas tem consciência que a competição é terreno propício para o tráfico de seres humanos e a prostituição forçada.

Várias organizações apoiadas pela Federação alemã de Futebol lançaram-se à ofensiva. Está nas ruas a campanha “Apito Final”, que visa sensibilizar para a prostituição forçada. Brunhilde Raiser, presidente do Conselho Nacional de Mulheres da Alemanha, defende que “entre as prostitutas que trabalham de livre vontade, haverá certamente mulheres e crianças que serão obrigadas a prostituir-se por pessoas envolvidas no tráfico de seres humanos”. As associações estimam que para o Mundial cheguem à Alemanha 40 mil prostitutas oriundas, sobretudo, do Leste da Europa. Na Alemanha, a prostituição é legal e contam-se cerca de 400 mil trabalhadoras do sexo registadas, com direito a segurança social, e representadas por um sindicato. “Ella” é uma prostituta que diz estar contente com as perspectivas de negócio durante o mundial, com a chegada de milhares de possíveis clientes, e já dá as boas-vindas. No entanto, a campanha alemã e o Dia Internacional da Mulher servem para chamar a atenção para o facto de que quase dois milhões e meio de pessoas são todos os anos vítimas de tráfico de seres humanos.