Última hora

Última hora

Sérvia recorda assassinato de quem enviou Milosevic para Haia

Em leitura:

Sérvia recorda assassinato de quem enviou Milosevic para Haia

Tamanho do texto Aa Aa

O antigo ditador sérvio morreu precisamente na véspera do terceiro aniversário do assassinato de Zoran Djindjic, antigo primeiro-ministro que ordenou a entrega de Milosevic ao TPI.

No grande cemitério de Belgrado várias centenas de pessoas, incluindo a viúva e o presidente Boris Tadic, enfrentaram a chuva para honrar a memória do antigo líder, baleado em Belgrado em 2003. Os dias 11 e 12 de Março ficarão gravados na memória colectiva dos sérvios. Dias em que faleceram dois homens com responsabilidades políticas num período histórico da Sérvia e cujas vidas estiveram antagonigamente ligadas. Há quem olhe para a proximidade das datas das mortes com naturalidade “Não acho que seja coincidência que ele tenha morrido ontem, um dia antes do aniversário do assassinato de Djindjic. Isto mostra o perfeito funcionamento do universo”, referiu um jovem em Belgrado. Um das questões que agora se colocam é a do local onde Milosevic será sepultado. O Partido Socialista Sérvio pretendia que o ex-ditador fosse enterrado na Sérvia. Alguns sectores advogavam mesmo que o funeral ocorresse na Alameda dos Heróis no cemitério de Belgrado, onde está sepultado Zoran Djindjic. Mas o destino da urna do antigo presidente deverá ser decidido pela sua família que vive em Moscovo.