Última hora

Última hora

Médicos alemães em greve por melhores salários

Em leitura:

Médicos alemães em greve por melhores salários

Tamanho do texto Aa Aa

Os médicos das clínicas universitárias alemãs estão em greve por aumentos salariais da ordem dos trinta por cento e melhores condições de trabalho.

Numa jornada de protesto que reuniu em Hanôver cerca de seis mil clínicos, o governo central voltou a ouvir as reivindicações da classe. Um manifestante diz compreender que “há pouco dinheiro, mas foram os médicos que fizeram os maiores sacrifícios nos últimos anos. Olhando para as qualificações e para o volume de trabalho, os médicos alemães são muito mal pagos. Isso afecta a motivação, como se pode constatar pelo número de médicos que saem do país para trabalhar no estrangeiro.” No entanto, para os representantes da tutela, as exigências do médicos parecem irrealistas, como explica o negociador Hartmut Moellring.“Oferecemos o alargamento da semana de trabalho de 40 para 48 horas, uma vez que os médicos alegam trabalhar 50 a 60 horas. Isso significa que, sendo pagos por mais 8 horas de trabalho, terão um aumento de 20%.” A greve do pessoal médico já dura desde quinta-feira e promete arrastar-se por tempo indeterminado. Hoje, 21 das 34 clínicas universitárias da Alemanha estavam paralizadas.