Última hora

Última hora

Israel em plena campanha para as legislativas de dia 28

Em leitura:

Israel em plena campanha para as legislativas de dia 28

Tamanho do texto Aa Aa

A quatro dias das eleições legislativas israelitas, as sondagens mostram uma ligeira descida na popularidade do partido favorito: o Kadima. O primeiro-ministro interino, Ehud Olmert, está confiante na vitória e anuncia que, se vencer, o posto de chefe de governo interino será ocupado por Tzipi Livni, a actual chefe da diplomacia.

Segundo as sondagens, o Kadima deverá obter entre 36 e 40 dos 120 lugares do parlamento. As dificuldades podem estar na criação de uma eventual aliança que permita cumprir o mandato e aplicar o programa do governo. Um dos pontos é a fixação unilateral das fronteiras de Israel. Os estudos de opinião mostram também uma alta taxa de indecisos e de prováveis abstencionistas. Mas o analista político, Ari Shavit, considera que “o mais impressionante destaseleições é que, pela primeira vez, os israelitas têm de fazer uma verdadeira escolha entre três diferentes líderes que apresentam três formas diferentes de ver o país”. O Kadima é o único a propor verdadeiras medidas em termos de segurança. Os rivais esses escolheram lutar no campo económico e social. É o caso do Likud, mas o líder Benjamin Netanyahu sabe que pode ser punido pelas medidas que implementou enquanto era ministro das Finanças num Israel em dificuldades económicas. O Likud encontra-se em terceiro lugar nas sondagens, atrás dos trabalhistas. O antigo sindicalista Emir Peretz defende um forte aumento do salário mínimo e representa a consciência social de Israel, onde 23% da população vive no limiar da pobreza.