Última hora

Última hora

Estudantes e sindicatos franceses vigilantes face à capitulação do CPE

Em leitura:

Estudantes e sindicatos franceses vigilantes face à capitulação do CPE

Tamanho do texto Aa Aa

Com um sentimento de vitória após o abandono do Contrato Primeiro Emprego, estudantes e sindicatos franceses mantêm-se vigilantes. Paris decidiu substituir o contestado artigo 8 da lei sobre igualdade de oportunidades por um mecanismo de inserção profissional de jovens em dificuldades.

Apesar de ainda existirem universidades bloqueadas e com perturbações, muitos estudantes votam a favor de um regresso ao regular funcionamento dos estabelecimentos de ensino. Bruno Juillard, presidente do principal sindicato estudantil, apela no entanto a que se “mantenha a pressão até que se vote no Parlamento a supressão do CPE.” As doze organizações sindicais e de estudantes que lideraram mais de dois meses de campanha anti-CPE decidiram manter as manifestações prevista para esta terça-feira, nomeadamente em Paris. O sindicalista François Chérèque diz “que se preparam para entrar numa segunda fase, que deveria ter sido a primeira, de verdadeiras negociações para o acesso dos jovens ao mercado de trabalho.” A reunião do movimento intersindical teve um gosto de vitória que contrastou com a seriedade da declaração do primeiro-ministro francês. Dominique de Villepin, que lançou o CPE a 16 de Janeiro, anunciava durante a manhã desta segunda-feira o abandono do polémico projecto. Tanto o primeiro-ministro como o presidente Jacques Chirac, foram seriamente afectados pelos dois meses de contestação ao CPE, recebendo actualmente uma opinião negativa de 75 por cento dos franceses.