Última hora

Última hora

ONU desvaloriza consequências de Tchernobyl

Em leitura:

ONU desvaloriza consequências de Tchernobyl

Tamanho do texto Aa Aa

A tragédia de Tchernobyl foi propositadamente desvalorizada pela ONU. A acusação pertence à organização ecologista Greenpeace que apresentou esta terça-feira um relatório em Moscovo.

A maior catástrofe nuclear civil de sempre ocorreu a 26 de Abril de 1986. Em Setembro do ano passado as Nações Unidas publicaram um documento no qual estimam entre 4.000 e 9.000 o número de mortos entre as populações mais expostas às radiações. Já o estudo apresentado pela “multinacional verde” considera possível que esta cifra atinja os 93.000, tendo apenas em conta os casos de cancro. Vladimir Chuprov, da Greenpeace, é claro: “Discordamos absolutamente da posição da ONU e chegamos à conclusão que a posição oficial é encomendada pela indústria. Eles querem esquecer Tchernobyl que é um dos últimos obstáculos ao renascimento do nuclear.” A nuvem radioactiva espalhou-se um pouco por toda a Europa mas o relatório agora apresentado centra-se na Ucrânia, Bielorrússia e Rússia, na altura pertencentes à União Soviética. O estabelecimento de um número concreto é contudo impossível. O relatório da Greenpeace baseia-se numa compilação de estudos, em particular russos, que demonstram um aumento súbito dos casos de cancro nas regiões contaminadas, mas também de doenças respiratórias, digestivas, circulatórias e de anomalias do sistema imunitário.