Última hora

Última hora

Mulheres egípcias lutam por afirmação religiosa

Em leitura:

Mulheres egípcias lutam por afirmação religiosa

Tamanho do texto Aa Aa

São jovens estudantes e representam o futuro do Egipto. Na Universidade do Cairo, aumenta o número de raparigas que usam véu, para esconder o cabelo e mesmo o rosto. Nesta sociedade marcada pela religião, as mulheres não têm muita liberdade.

“Uso o véu por respeito à minha religião e para me proteger perante Deus”, explica uma jovem estudante. Fazer respeitar os seus direitos, é o objectivo desta associação de mulheres, que já foi alvo de pressões policiais. A sua fundadora fala com amargura desta sociedade onde não há lugar para as mulheres na política e em que o véu é sinónimo de opressão religiosa. “É uma maneira de controlar o corpo da mulher. É como o cinto de castidade na Idade Média e como a excisão das meninas que se continua a fazer no Egipto”, afirma. Algumas mulheres reivindicam o direito a usar o véu. Militam no Movimento dos Irmãos Muçulmanos, que foi interdito mas agora é tolerado, e é o mais forte da oposição no Egipto. Makarem Al Deiri, a única mulher candidata dos islamitas nas últimas eleições, ocupa terreno, apesar da derrota. Tenta seduzir o eleitorado feminino. “É preciso reforçar os valores religiosos no seio de cada família para evitar adelinquência dos jovens e ajudar os educadores, defende. Esta advogada também defende o direito à sua religião copta. Georgette Sohbi pertence à minoria cristã de 10 milhões de egípcios e ao círculo restrito de mulheres deputadas: são apenas dez. Foi nomeada pelo presidente Mubarak, que fez da luta contra o extremismo islâmico um dos pilares do seu regime. “Se os Irmãos Muçulmanos chegarem ao poder, mudam imediatamente as leis da república. Penso que haverá confrontos violentos entre os islamitas e os coptas. Os coptas recusarão ser considerados cidadãos de segunda categoria, sem nenhum direito”, argumenta. No Egipto, a religião está cada vez mais presente. Num país onde a liberdade é pouca, as mulheres têm dificuldade em fazer-se ouvir e o futuro não parece risonho para as que sonham com democracia.