Última hora

Última hora

Blair remodela governo depois de derrota eleitoral dos trabalhistas

Em leitura:

Blair remodela governo depois de derrota eleitoral dos trabalhistas

Tamanho do texto Aa Aa

Tony Blair tenta superar a crise aberta pela derrota eleitoral de ontem com uma remodelação governamental radical. Desde esta manhã que o primeiro-ministro se encontra “entricheirado” no número 10 de Downing Street a decidir quem fica e quem parte do executivo.

Principal surpresa, a saída de cena de Jack Straw como ministro dos Negócios Estrangeiros passando agora a presidir a Câmara dos Comuns. A até agora ministra do Ambiente Margaret Beckett deverá substituir Straw, num ministério que será dividido entre os Assuntos Europeus e os Negócios Estrangeiros. Geoff Hoon vai ficar encarregue dos Assuntos Europeus. O professor de direito ganhou protagonismo num governo Blair como responsável da defesa aquando da invasão do Iraque em 2003. Segunda saída do governo, esta já esperada, é a do ministro do interior Charles Clarke, visado nos últimos dias por várias críticas à gestão do dossiê dos prisioneiros estrangeiros. Evocando a falta de confiança política numa mensagem gravada, Clarke recusou qualquer outro posto governamental e deverá regressar ao parlamento como deputado. John Reid, até agora ministro da Defesa, passa ao ministério do Interior, sendo uma figura considerada “explosiva” em parte devido às suas posições inflamadas e declarações do passado, como quando defendeu que o governo não deveria banir o tabaco, “porque é um dos poucos prazeres das classes mais pobres”. Outra surpresa é o facto de John Prescott, manter o lugar de vice-primeiro-ministro apesar dos escândalos revelados pelos tablóides nos últimos dias. Prescott torna-se no entanto ministro sem pasta. Blair procedeu a modificações noutros ministérios como a Educação ou o Comércio para tentar conter o terramoto político saído das eleições locais inglesas de ontem. Os trabalhistas perderam 18 municípios e 252 assentos autárquicos. Os conservadores são agora o primeiro partido britânico, depois de terem conseguido eleger mais 256 deputados municipais.