Última hora

Última hora

Marines regressam a Beirute para repatriar norte-americanos

Em leitura:

Marines regressam a Beirute para repatriar norte-americanos

Tamanho do texto Aa Aa

22 anos depois, os marines norte-americanos regressaram ao território libanês. Partidos em 1984, poucos meses depois de um atentados que vitimou 241 GIs em Beirute, os militares norte-americanos participaram nas operações de evacuação do Líbano. 40 marines começaram ao início do dia a encaminhar cidadãos norte-americanos para o USS Nashville.

No total, 1200 cidadãos partem do Líbano esta quinta-feira, mas Washington considera que vai conseguir retirar 6 mil pessoas até ao fim de semana. De resto, todas as potências ocidentais têm em prática dispositivos de evacuação de estrangeiros do Líbano. Os seis portugueses que embarcaram na fragata francesa Jean-Vienne devem chegar ainda esta quinta-feira a Portugal a bordo de um C-130 da Força Aérea.

Entretanto, ao porto de Beirute continuam a afluir centenas de pessoas tendo em vista uma retirada para o Chipre. Desde ontem, pelo menos 3500 pessoas chegaram a Larnaca a bordo de embarcações norte-americanas e francesas.

Esta manhã, chegou a Moscovo um grupo de 350 cidadãos russos. Um dos repatriados diz que foi assustador, quando uma bomba explodiu perto de casa, pensou que ia morrer.

Este foi o terceiro grupo de russos a regressar a Moscovo, mas pelo menos oitocentas pessoas aguardam o repatriamento.
Uma criança de nove anos, também entrevistada, diz que o pai não partiu ainda, mas enviou-a com uma família conhecida.

Com o conflito a não dar mostras de acalmia, nos próximos dias, a ponte aérea e marítima vai permanecer activa de maneira a repatriar os milhares de estrangeiros que continuam no Líbano.