Última hora

Última hora

Tensão em Cuba face à ausência de Fidel

Em leitura:

Tensão em Cuba face à ausência de Fidel

Tamanho do texto Aa Aa

As manifestações públicas em Cuba intensificam-se ao mesmo tempo que cresce a tensão pelo futuro do país. O anúncio da transferência provisória do poder em Cuba não alterou o quotidiano de Havana, mas criou nervosismo entre os habitantes pró-castro que saíram à rua para demonstrar confiança na condução do país pelo irmão do Chefe de Estado.

Ontem à noite, Fidel Castro disse ao povo em comunicado que o seu estado de saúde é estável e o partido comunista pronunciou uma tentativa de pôr fim à discussão pública sobre a saúde do líder. A notícia da cirurgia do Líder Máximo, que provocou a transferência provisória de poder para o seu irmão, criou especulações de que Castro não regressará ao poder.

Washington rejeitou qualquer possibilidade de negociar o embargo, considerando que a tentativa de imposição de Raul Castro ao povo cubano é a mesma protagonizada por Fidel. Já em Havana, com o país em suspenso pela incerteza do futuro, o líder dissidente, Osvaldo Paya pediu a Cuba para manter a calma: “Neste momento de preocupação que afecta todos os cidadão cubanos, mais do que nunca, a nossa mensagem é de serenidade, calma e disciplina, porque Cuba é a nossa casa e temos de fazer o melhor pelo nosso país”.

Paya acrescentou que quem pretender ajudar a nação deverá fazê-lo com esse espírito de paz e acrescentou que é necessário estar aberto ao diálogo. Especialistas já disseram que a cirurgia a que o líder foi submetido é arriscada e pode implicar vários meses de recuperação.