Última hora

Última hora

Governo britânico quer perdoar 300 militares da primeira Grande Guerra

Em leitura:

Governo britânico quer perdoar 300 militares da primeira Grande Guerra

Tamanho do texto Aa Aa

O soldado Harry Farr é um dos 300 militares britânicos executados durante a primeira Guerra Mundial que poderá vir a ser perdoado. Vários familiares de antigos combatentes britânicos receberam com satisfação a notícia sobre os planos do governo em dar o perdão póstumo a homens executados por cobardia, deserção ou qualquer outra ofensa ao país. A neta de Harry Farr lembra principalmente a avó que na altura sabia de tudo o que se passava e se fosse viva nesta altura estaria muito feliz. O soldado William Nelson deverá ser outro dos que o governo pretende perdoar pois também sofria de stress pós-traumático, como o soldado Farr.

A luta dos familiares dos soldados não é de agora, há vários anos que tentam repor a verdade dos factos. A sobrinha do soldado Nelson acha que o perdão já vem tarde para os parentes que são próximos, muitos já morreram. Os efeitos do stress pós-traumático, como perda da fala e das faculdades motoras, eram encarados na altura como formas de troçar de quem fazia os inquéritos ou como manifestações de falta de coragem. O perdão a 300 soldados da primeira guerra terá ainda de ser submetido à avaliação do parlamento.