Última hora

Última hora

UE discute na quarta-feira participação europeia na FINUL

Em leitura:

UE discute na quarta-feira participação europeia na FINUL

Tamanho do texto Aa Aa

O reforço das forças da ONU no Líbano e as hesitações de vários países estarão no centro de uma reunião da União Europeia na quarta-feira em Bruxelas. Face a situações do passado, os europeus querem saber quais as missões e meios da FINUL.

O governo italiano, chefiado por Romano Prodi, está disposto a enviar até três mil soldados, mas exige que as regras sejam claras e que os parceiros europeus participem. Roma surge como o maior constribuidor e possível líder da FINUL. Israel fez um pedido nesse sentido e o Líbano não se opõe.

A oposição italiana diz que o país está a aderir a uma “missão suicida” e evoca a falta de entusiamo dos parceiros europeus.

A França decepcionou ao propor apenas 200 soldados. Cinquenta estão já no terreno.

A Alemanha recusa enviar tropas terrestres, mas pretende ajudar com o treino de forças libanesas, missões de vigilância costeira ou de reconstrução. Mesmo assim, a chanceler Angela Merkel deixa um apelo: “é importante enviar rapidamente um contingente pois o fim-de-semana mostrou que a trégua é frágil”.

A ONU desejava reforçar os dois mil soldados da FINUL com mais 3500 até 2 de Setembro. Porém, as questões do desarmamento do Hezbollah bloqueiam o mandato e as contribuições.

As participações da Malásia, Indonésia e Bangladesh foram recusadas por Israel, pois não têm relações diplomáticas com o Estado hebraico.