Última hora

Última hora

Jaroslaw Kaczynski: "A UE precisa de uma nova política externa"

Em leitura:

Jaroslaw Kaczynski: "A UE precisa de uma nova política externa"

Tamanho do texto Aa Aa

Jaroslaw Kaczinski assumiu os comandos do governo polaco depois de uma grave crise que afectou os principais partidos políticos do país – liberais, sociais-democratas e democratas-cristãos. Kaczinski dirige uma coligação de três partidos conservadores, que representa os nacionalistas e os católicos integristas. Alguns membros desta coligação defendem medidas polémicas, como leis anti-homossexuais ou a reintrodução da pena de morte.

O governo de Kaczinski reavivou algumas polémicas antigas com a Alemanha e travou o tradicional euro-entusiasmo dos polacos. Sergio Cantone, EuroNews: Sr. Primeiro-ministro, bem-vindo à EuroNews. a Polónia, através do governo a que o senhor preside, está a mudar as relações com a união europeia, relativamente aos compromissos que os seus antecessores assumiram?

Jaroslaw Kaczinski, primeiro-ministro da Polónia: Se fizemos referência ao tratado de adesão, é porque essa adesão é muito positiva e tem o nosso apoio. Podemos discutitr os diferentes aspectos deste acordo, mas seja como for temos de aceitá-lo. No que diz respeito à união política, não vejo qualquer contradição. Podemos bem conservar os actuais Estados-nação soberanos, cuja existência é uma condição imprescindível para o bom funcionamento da democracia.

Hoje não há um sistema democrático que possa substituir os Estados-nação e, ao mesmo tempo, começar uma construção europeia. Essa estrutura permitiria uma coordenação permanente entre os países, através da subsidiariedade. Seria ainda capaz de criar uma verdadeira potência europeia, nomeadamente uma estrutura política capaz de fazer face aos Estados Unidos, à China e às outras potências.

EN: A Polónia, com o seu governo e a sua liderança, está a mudar as relações com a União Europeia e os parceiros europeus, sobretudo depois da crise que afecta os partidos tradicionais da Polónia?

JK: A nossa formação é um partido cristão conservador clássico. A cena política polaca está hoje mais e melhor ordenada que antes. Há poucos partidos importantes – na verdade, dois grandes partidos. Podemos então dizer que se atingiu uma normalidade europeia.

EN: O senhor pensa que a Polónia precisa da pena de morte?

JK: Essa proposta não partiu do meu partido, mas de outro. É um partido que existe e tem cerca de 20 deputados. Eles têm o direito de propor a pena de morte, mas obviamente essa proposta não tem qualquer imoprtância prática.

EN: A Comissão Europeia abriu um inquérito sobre os estaleiros navais de Gdansk. O seu governo vai lutar para salvar este importante símbolo da liberdade da Polónia?

JK: A Commissão agiu no quadro da legislação europeia. Estou orgulhoso por ter convencido o presidente Barroso a não arquivar o caso e prosseguir os esforços para encontrar uma solução positiva. Se me perguntar se estou disposto pa defender, a qualquer preço, o sestaleiros de Gdansk, onde passei várias semanas como manifestante, a resposa é sim, vou defendê-los a qualquer preço.

EN: Pensa que a União Europeia precisa de uma política externa mais eficaz, depois da crise do Médio Oriente?

JN: Sim, penso que uma nova política externa vem beneficiar a Europa e o Mundo, mas para que seja séria, a Europa tem de ser bastante mais forte. Isto também no plano militar. Tem de ter uma força militar credível. É um problema que tem de ser resolvido no futuro. Tenho a impressão de que vamos avançar muito, neste campo, nos próximos anos.

Mas é preciso ter esta perspectiva – a União europeia tem de ser um parceiro que possa falar de igual para igual com os Estados unidos e a China. Como tinha já dito antes, a China vai transformar-se numa grande potência. A Europa tem que ser forte neste contexto. é esta a União Europeia que eu quero ver.

EN: As relações entre a Polónia e a Alemanha vão melhorar, relativamente ao que eram há alguns meses?

JK: Penso que vão melhorar durante o mês de Outubro.

EN: Porquê em Outubro?

JK: Porque vai haver reuniões e porque é o mês que vem a seguir a Setembro.