Última hora

Em leitura:

"Terapia de grupo" sobre produtos químicos


A redação de Bruxelas

"Terapia de grupo" sobre produtos químicos

Um videoclip, no qual quatro eurodeputados confessam estar quimicamente contaminados devido ao contacto com substâncias do dia-a-dia, como alcatifas ou baldes de tinta, vai começar a ser difundido esta semana.

Esta campanha, da ONG WWF, é uma forma diferente de chamar a atenção para a necessidade de reforçar o REACH, o novo regulamento europeu sobre as substâncias químicas.

Um dos participantes, o eurodeputado conservador húngaro Péter Olajos, diz que “há uma certa dificuldade de comunicação, actualmente”, e que “um videoclip é uma ferramenta moderna e uma boa forma de atingir o público”. Uma opinião partilhada pela sua colega Riita Myller. Esta socialista finlandesa diz-se consciente de que “as pessoas não lêem nem se reúnem para discutir, mas vêem televisão. Por isso, esta é uma boa maneira de chegar até aos cidadãos.”

O anúncio começa a passar este mês, a poucas semanas do voto, em segunda leitura, no Parlamento Europeu, do projecto REACH, que tem dividido indústria e ecologistas.

Sandra Jen dirige a campanha Detox, da WWF. Explica que, “tendo em conta que é a saúde pública que está em jogo”, espera “que a segunda leitura recolha uma ampla maioria de votos, dos populares, dos socialistas, dos liberais e dos verdes, para que as substâncias químicas mais perigosas possam ser substituídas por outras, mais seguras.”

A actual versão do futuro regulamento contempla 12 mil substâncias químicas, em vez das 30 mil inicialmente previstas. Isto porque o compromisso alcançado isenta a indústria de testar e registar as substâncias utilizadas em pequenas quantidades. Se for aprovado, espera-se que o regulamento REACH entre em vigor já no próximo ano.

Saiba mais:

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte

A redação de Bruxelas

Turquia não gosta de "puxão de orelhas" do Parlamento Europeu