Última hora

Última hora

Militares justificam golpe de Estado

Em leitura:

Militares justificam golpe de Estado

Tamanho do texto Aa Aa

O golpe de Estado na Tailândia foi necessário para acabar com meses de crise política. São palavras do chefe do Estado-Maior do Exército, o general Sonthi Boonyaratglin, líder dos militares que esta noite tomaram controlo do país e anunciaram o derrube do Governo. No entanto, os golpistas garantem que “não têm nenhuma intenção de dirigir a nação e que transferirão o poder para o povo assim que possível, no quadro da monarquia constitucional”.

Boonyaratglin assumiu a chefia de um governo provisório. Apesar do forte dispositivo militar nas ruas de Banguecoque, o golpe de Estado decorreu de forma pacífica. O exército pediu calma e apoio à população. É a primeira vez, desde 1992, que os militares tomam o controlo do país.

A União Europeia já apelou ao “regresso à ordem democrática” na Tailândia. Grã-Bretanha, Austrália e Nova Zelândia condenaram os acontecimentos.

Os autores do golpe acusam o primeiro-ministro Thaksin Shinawatra de corrupção, deslealdade à Coroa e perversão das instituição democráticas. Presente em Nova Iorque para a Assembleia-Geral da ONU, Shinawatra “decidirá nas próximas horas” se regressa à capital tailandesa, segundo fontes partidárias. Mas já fez saber que continua a considerar-se chefe do executivo.