Última hora

Última hora

O que causou a demissão de Streiff

Em leitura:

O que causou a demissão de Streiff

Tamanho do texto Aa Aa

As razões para a saída de Christian Streiff começaram antes ainda do presidente, agora demissionário, da Airbus, ter tomado posse. A companhia, detida pelo consórcio EADS, anunciou atrasos sucessivos no programa de entregas do avião-vedeta, o A380, maior avião comercial do mundo, capaz de transportar mais de 800 passageiros.

Estes atrasos, que provocaram uma razia nos lugares cimeiros da construtora e da casa-mãe, foram causados por problemas na estrutura de cabos eléctricos. Cada um dos aparelhos tem cerca de 500 quilómetros nestes cabos.

O A380 é um autêntico puzzle. A montagem final é feita nas instalações de Toulouse, em França, mas os componenetes principais vêem de fábricas espalhadas por França, Espanha, Alemanha e Reino Unido.

A Singapore Airlines vai ser, como previsto, a primeira companhia a utilizar comercialmente o novo avião, mas os atrasos vão custar à Airbus uma indemnização. Já a Qantas e a Emirates, outras duas transportadoras que tinham também feito contratos para a aquisição do A380, estão a ponderar uma revisão do programa de encomendas.

Além dos atrasos no calendário do A380, a Airbus pondera também suspender o programa de desenvolvimento da nova versão do modelo A350. Todos estes problemas significam que a construtora europeia está a perder a batalha com a arqui-rival, a norte-americana Boeing. Na bolsa de Paris, as acções da EADS estão a sofrer com as notícias.