Última hora

Última hora

Reprovação de Bruxelas e tempestade política entre Paris e Ancara após aprovação de lei sobre genocídio arménio

Em leitura:

Reprovação de Bruxelas e tempestade política entre Paris e Ancara após aprovação de lei sobre genocídio arménio

Tamanho do texto Aa Aa

Reprovação da Comissão Europeia e raiva da Turquia, tudo porque o parlamento francês aprovou em primeira leitura a lei sobre o genocídio arménio. Um dia histórico para a comunidade arménia em França, a maior da diáspora na Europa ocidental, que aplaudiu os poucos deputados que participaram na votação.

O texto, que segue agora para o Senado, provoca divisões no seio da esquerda e da direita francesa. O governo é contra a lei, mas Roland Blum, deputado do UMP, é a favor. Defende que “Não é possível existirem duas categorias de genocídio: o judeu que sempre foi condenado e o arménio que só o é em certos casos”. Pede, por isso, rigor, pois, diz, “não há genocídio com geometria variável”.

A lei prevê um ano de prisão e 45 mil euros de multa para quem negar o genocídio arménio e a morte de milhão e meio de pessoas em 1915. A Turquia, que rejeita o genocídio, fala de um duro golpe para as relações bilaterais com Paris e deixa no ar ameaças económicas.

O chefe da diplomacia turca, Adullah Gul, afirmou: “Há medidas que foram tomadas e que serão aplicadas com seriedade. O parlamento francês mostrou que o país corre atrás de pequenos interesses. A França destruiu o seu prestígio histórico”.

Para os analistas a lei tem objectivos eleitorais a meses das presidenciais gaulesas.

Ergun Babahan, editor do jornal turco Sabah, explica que o voto francês corre o risco de enfraquecer a posição dos que defendem a adesão à União Europeia na Turquia, onde o entusiasmo pelo clube europeu já não é muito.

A Comissão Europeia reprova o voto, pois vê nele um obstáculo suplementar aos esforços turcos e arménio para resolver a questão.

A comunidade arménia na Turquia é contra a lei e teme represálias.

Em Ancara e Istambul houve protestos junto às representações diplomáticas francesas e ouviram-se apelos ao boicote de produtos gauleses.