Última hora

Última hora

Cronologia da vaga de homicídios no Líbano

Em leitura:

Cronologia da vaga de homicídios no Líbano

Tamanho do texto Aa Aa

O homicídio do ministro da Indústria é o mais recente de uma vaga de crimes contra figuras públicas com posições anti-Síria, nos últimos dois anos no Líbano. O primeiro e que o maior impacto teve foi o assassinato do antigo primeiro-ministro Rafic Hariri em Fevereiro do ano passado. O responsável pela reconstrução de Beirute e outras 22 pessoas foram vítimas de um carro armadilhado na capital.

Em Junho foi a vez Samir Kassir, um jornalista que se opunha à presença Síria, ser vítima de uma bomba colocada no seu automóvel em Beirute. Ainda em Junho, também na capital, novamente o mesmo método de armadilhar um carro. A vítima foi George Hawi, outro crítico do país vizinho e antigo líder do Partido Comunista libanês.

No mês seguinte novo atentado com carro armadilhado. O alvo era o ministro da Defesa Elias Al-Murr que sobreviveu ao ataque que acabou por matar uma pessoa num bairro cristão a norte de Beirute. A espiral de violência não ficou por aqui e depois do verão, em Setembro, uma das jornalistas mais conhecidas do Líbano, May Chidiac, escapou com ferimentos graves a uma bomba colocada no seu carro.

O ano de 2005 ainda viu mais um atentado. A 12 de Dezembro, Gerban Tueni, um magnata da imprensa e deputado crítico de Damasco foi morto. Neste caso o desconhecido grupo “Lutadores para a unidade e liberdade do Levante” reivindicou a responsabilidade pela colocação da bomba no carro