Última hora

Última hora

Símbolo da laicidade na Turquia volta a ser palco de tensões religiosas

Em leitura:

Símbolo da laicidade na Turquia volta a ser palco de tensões religiosas

Tamanho do texto Aa Aa

Santa Sofia, emblema de Istambul, tornou-se símbolo das tensões político-religiosas desencadeadas pela visita de Bento XVI. A Basílica bizantina, construida pelo Imperador Justiniano I no século VI, que se tornou mesquita aquando da conquista da cidade pelos otomanos em 1453, é simplesmente museu, desde 1935. De uma beleza ímpar, este Museu que foi catedral de Constantinopla, era hoje o emblema da Turquia moderna e larca, republicana. O papa Bento XVI pretende visitá-la como turista.

Mas os ultranacionalistas turcos do “Alperen Ocaklari”, que na semana passada ocuparam as instalações, consideram esta visita inaceitável. Fizeram-no ao som da prece, cantando “Allahu akbar”, exigindo que a antiga Basílica de Santa Sofia, agora Museu, passe, simplesmente, a Mesquita.

No domingo foi a vez dos islamitas do Partido da Felicidade se manifestarem, têm pouco mais de 1 por cento de votos. Sob o lema “Contra a aliança dos cruzados” conseguiram juntar 20 mil pessoas na zona europeia de Istambul para protestar contra a visita do Papa. Queriam mobilizar 75 mil… a manifestação ficou aquém, é verdade, mas foi ruidosa e reuniu a nata dos ultranacionalistas e islamitas.

O especialista em assuntos islâmicos turcos, Robert Anciaux, explica que os islamitas consideram que o choque de civilizações opõe a civilização islâmica à civilização ocidental, necessariamente cristã. Para os ultranacionalistas, trata-se simplesmente de reafirmar o primado da nação sobre qualquer outra consideração, o que é um programa destinado a dar à Turquia uma identidade tal que possa resistir às influências exteriores.

A viagem papal, precedida pelas declarações em Ratisbonne, consideradas ofensivas pelos muçulmanos, fez emergir os velhos preconcentos anti-cristãos dos turcos. Também mostra a complexidade da Turquia moderna: um país carregado de história, que se esforça por conciliar o Islão com uma política laica; o eurocepticismo e a vocação europeia.