Última hora

Última hora

Erdogan afirma: Papa apoia adesão da Turquia à UE

Em leitura:

Erdogan afirma: Papa apoia adesão da Turquia à UE

Tamanho do texto Aa Aa

A visita pastoral de Bento XVI à Turquia, que estava envolta em maus presságios, teve, afinal, um início auspicioso. O moderado primeiro-ministro Recep Tayep Erdogan, inesperadamente, foi receber o Sumo Pontífice ao aeroporto de Ancara e, depois de um encontro privado de 30 minutos deu mesmo uma conferência de imprensa: anunciou o apoio do Papa à adesão do país à União Europeia. O islamista moderado Erdogan, do Partido da Justiça e da Libertação, foi um dos críticos das posições expressas pelo Papa na conferência de Ratisbona em Setembro, pela associação entre fé e violência no islão.

Aliás, a Turquia foi um dos países que reagiu de maneira feroz às polémicas declarações que Bento XVI fez, durante uma visita à Alemanha, quando num discurso na Universidade de Ratisbona, afirmou, citando um imperador bizantino, que Maomé tinha dado ao mundo a ideia de espalhar a religião “através da espada”.

Bento XVI seguiu do aeroporto de Ancara para o mausoléu de Atartürk, considerado o fundador da Turquia moderna, onde depositou flores. O Papa também deixou uma mensagem escrita no Livro de Visitas afirmando que a Turquia é o ponto de encontro de diferentes religiões e culturas e a ponte entre a Ásia e a Europa.

Apesar das fortes medidas de segurança, a 40 km de Ancara ainda houve alguns opositores à visita papal que conseguiram mostrar os seus cartazes e marcar bem a sua posição pacificamente. Bento XVI encontrou-se depois com o presidente da República da Turquia, Ahmet Necdet Sezer, encontro para o qual mudou mesmo de indumentária.

Ao fim da tarde, encontrou-se com o ministro dos Assuntos Religiosos no governo, Ali Bardakoglu. É que, apesar de laica, a república turca zela bem pela moderação dos discursos nas mesquitas. E ainda se está longe da liberdade religiosa: a compra de um terreno por um representante de uma igreja católica é tão difícil que as poucas que existem funcionam nos mais esconsos prédios. Restam apenas 20 mil católicos na Turquia.