Última hora

Última hora

Biografia de um ditador

Em leitura:

Biografia de um ditador

Tamanho do texto Aa Aa

Em 1973, a foto deu a volta ao mundo: o general chileno, Augusto Pinochet, entra na história como o arquétipo do ditador latino-americano.

No dia 11 de Setembro de 1973, Augusto Pinochet dirige um golpe de Estado contra o presidente do Chile, o socialista Salvador Allende. A lealdade de Pinochet tinha durado 18 dias. No dia 23 de Agosto de 1973, o presidente Allende tinha-o nomeado chefe das Forças Armadas.

Pinochet nasceu em Valparaiso a 25 de Novembro em 1915, filho de um militar de vagas origens francesas e muito indisciplinado para prosseguir os estudos. Aos 18 anos, depois de três tentativas, consegue, finalmente, entrar na escola militar. Em 1940, casa com Lucia Hiriart, com quem tem cinco filhos.

O militar sem histórias, revela-se, depois de 11 de Setembro de 1973, um ditador sem piedade para os opositores de esquerda, mas também um chefe aterrorizador para os seus pares na Junta Militar. A Polícia Política, DINA, só rende contas ao General Pinochet.

Foi proclamado Chefe Supremo da Nação em 1974e, em 1981, presidente da República do Chile. Durante 17 anos de ditadura, o relatório Retting numerou 3.197 vítimas, das quais, 1.192 são detidos desaparecidos, uma prática sinistra que terá seguidores nas ditaduras vizinhas.

Depois de organizar a impunidade, promulgando a Lei da Amnistia, em 1978, e uma constituição à medida para controlar o exército, à frente do qual se manteve até 1990, Pinochet assegura a retaguarda como senador vitalício.
Mesmo assim, o passado surpreende-o onde ele menos espera: em Londres. Uma sentença internacional de prisão, proferida em 1998 pelo juiz espanhol Baltasar Garzon, por terrorismo, genocídio e torturas, retém-no por 503 dias na capital britânica.

Libertado por razões médicas, regressa ao Chile em 2000 onde acumula 300 queixas e processos e onde a imunidade lhe é levantada nos casos de violações de direitos do homem e de corrupção.

Até ao fim, Augusto Pinochet não assume qualquer culpa. Aliás, sublinha: só agiu pelo bem do Chile.