Última hora

Última hora

Áustria: cedências para governar

Em leitura:

Áustria: cedências para governar

Tamanho do texto Aa Aa

No dia 1 de Outubro de 2006, para surpresa de todos, os sociais-democratas do SPO, ganharam as eleições legislativas austríacas. O seu líder, Alfred Gusenbauer, com uma campanha de promoção da justiça social obteve 35,3 por cento dos votos e por isso reclama o direito a ser o próximo chanceler e ministro das Finanças. No posto está Wolfgang Schuessel, chefe dos conservadores, eleito, a seu tempo, com menos votos, 34,3 por cento. Depos de seis anos no poder, Schuessel reconhece a derrota.

Mas a curta distância entre os dois grandes partidos obriga-os a chegar a acordo para tentar nomear um governo de coligação. O presidente austríaco, o social-democrata Heinz Fischer já pediu a Gusenbauer para começar as negociações. O dirigente social-democrata deve ter de ceder a algumas exigências dos conservadores. Assim, o aumento do rendimento mínimo garantido, prometido pelo SPO, caiu no esquecimento, os pequenos aumentos das ajudas sociais e das reformas continuam retidos.

Gusenbauer vai ter de se conter quanto a outras promessas eleitorais, nomeadamente, tem de aceitar o adiamento da redução de impostos sobre os rendimentos, que vai custar três mil milhões de euros. Também vai renunciar à prometida abolição das propinas. No governo dos conservadores, os estudantes universitários pagavam 375 euros por semestre… e tudo indica que assim continuará. Os dois partidos disputam a repartição dos ministérios, mas Gusenbauer quer subir dos actuais 11 para 15 ou 16 e ficar com o da Condição Feminina.

Mas a 31 de Outubro, as negociações foram interrompidas pelos conservadores de Schuessel que se consideraram traídos pelo SPO quando este decidiu formar uma comissão parlamentar para inquirir sobre a compra de 18 aviões Eurofighter. É que, sendo a Áustria um país neutro, os sociais-democratas preferem investir na educação do que gastar dois mil milhões de euros em aviões de combate. Para os conservadores, os 18 Eurofighters são necessários para defender o espaço aéreo austríaco.